28 de março de 2010

a real e perfeita simetria.

A gente tem mania de viver tentando encontrar em alguém a perfeita simetria, como na música do Engenheiros Do Hawaii... Essa é a simetria utópica. Eu descobri que não necessariamente simétrico, mas o que há de mais completo, o verdadeiro átomo, a realidade indivisível que há em mim, sou eu.

Agora, nada pode nos dividir. Com você, encontro motivo pra tudo, e sempre mais. Somos a perfeita simetria. Duas metades, várias partes... Iguais!


Porque eu sei o que é ser inteiro. E ser metade de uma metade, esperando outra metade preencher o meu próprio vazio é estupidez. Eu sou metade de um casal, não metade de uma pessoa.
Um sorriso não pode ser o conteúdo do pedaço de mim que eu mesma esvaziei. Há muito mais espaço em mim. Pra mais que um sorriso, que dez mil sorrisos. Em mim há espaço para eu mesma e eu sei que sou muito mais.
Porque uma metade de mim deve ser igual no conteúdo, pra formar uma figura sensata. Não se pode pegar duas peças de quebra-cabeças diferentes, uni-las e esperar que elas formem uma figura coerente. Pode ficar bonito, mas sem fazer sentido não é completo.
A beleza está nas formas e conteúdos, no modo como as peças se encaixam e formam uma figura mais bonita quando estão juntas. Não quero mais peças que se encaixem formando figuras absurdas. A peça que se encaixa em mim sou eu.
"I'm a puzzle, yes, in deed!", mas um Quebra cabeças com todas as suas peças. Completo. E não posso esperar que ninguém mais me monte.
Eu vou me montar, me completar, me emoldurar. Viver o desenho inteiro que está em cada peça minha pra poder ser um "todo com todas as partes".
E quando, finalmente, meu "eu" estiver completo eu penso novamente em ser "nós" com alguém.


Texto feito com partes de mim, peças do meu quebra-cabeça, palavras que me formam, as aspas do meu ser.
Perfeita Simetria (EngHaw), Soneto de Mona Lisa, Todo (Filipe Cassiano) , claro Pronomes (Lígia Araújo) e conversas não registradas com Patrícia Lima

19 de março de 2010

Deputado Brasileiro incluído na lista da Interpol

Eu nunca faço isso, é verdade, mas minha revolta foi tão grande que eu tive que postar esse absurdo. E agora, em ano de eleição, crio o marcador TERCEIRO MUNDO no meu blog. Pra introduzir a notícia do UOL Notícias, trechos da Música BRASA, do nosso Poeta, Gabriel Pensador e uma pequena adaptação, mudando a palavra saudade pela palavra inveja.

"Sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor. Mas o amor é cego. Devo admitir, devo e não nego, que aos poucos fui caindo na real, vendo como o Brasa tava em brasa, tava mal.Vendo a minha terra assim em guerra, o meu país... não dá, não dá pra ser feliz. E bate uma revolta, e bate uma deprê. E bate a frustração, e bate o coração pra não morrer.Mas bate assim cabreiro. Bate no escuro, sem esperança no futuro, bate o desespero. Bate inseguro, no terceiro mundo, se for, com INVEJA do primeiro.

(...)

Eu tô morrendo de vergonha, tô morrendo de vergonha...Do jornal lá na banca, da notícia pra ler, das garotas de programa dos programas da TV. Do jeitinho, do improviso, da bagunça geral, do sorriso mentiroso na campanha eleitoral."

Paulo Maluf e seu filho são incluídos em lista de procurados da Interpol
Do UOL Notícias Em São Paulo

Site cita Maluf como procurado por fraude e roubo
"O ex-prefeito, ex-governador e deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) é citado pela Interpol – agência internacional de polícia presente em 181 países – em sua lista de procurados. Tanto Maluf quanto seu filho, o empresário Flávio Maluf, aparecem no site da instituição integrando a “difusão vermelha”, nível máximo de alerta da Interpol, sendo procurados por fraude e roubo. Em março de 2007, a Justiça de Nova York emitiu pedido de prisão de Maluf e de seu filho sob a acusação de envio de recursos desviados da prefeitura de São Paulo a bancos dos Estados Unidos. O ex-governador diz ser inocente.
Em nota, a defesa de Maluf afirma que a inclusão do deputado no alerta da Interpol é uma "ilegalidade" cometida pela promotoria estadual de Nova York, e classifica a ação como uma "verdadeira afronta à soberania do Brasil e do Congresso Brasileiro". Segundo o advogado Mauricio Leite, contratado pelo parlamentar, a medida seria o mesmo que um promotor de Justiça de um Estado brasileiro enviar à Interpol o nome de um parlamentar norte-americano, proibindo-o de viajar sob risco de ser preso.
Leite afirma que um advogado dos Estados Unidos entrou com um recurso em fevereiro, buscando anular a ação. Segundo o
site Última Instância, Maluf e seu filho não correm riscos de prisão se permanecerem no Brasil, pois a Constituição Federal impede a extradição de brasileiros natos a outro país."

http://noticias.uol.com.br/politica/2010/03/19/paulo-maluf-e-seu-filho-sao-incluidos-em-lista-de-procurados-da-interpol.jhtm

É um absurdo, eu sei, "mas eu vou ficar no Brasa porque o Brasa é minha casa, casa do meu coração. Mas eu vou ficar no Brasa porque o Brasa é minha casa e a minha casa só precisa de uma boa arrumação.Muita água e sabão.Ensaboa, meu irmão.Não se suja não.Indignação.Manifestação.Mais informação. Conscientização. Comunicação. Com toda razão. Participação. No voto e na pressão. Reivindicação. Reformulação.Água e sabão na nossa nação.Água e sabão, tá na nossa mão.Tô morrendo de paixão, tô morrendo de paixão..."

18 de março de 2010

Brainstorming Overture


Overture, Addagio, Allegro e Presto com fuoco podem ser partes de uma peça musical. Seja uma ópera, um ballet ou um concerto clássico. Overture, ou abertura, posteriormente acabou por tornar-se denominação de músicas completas, como em Nabucco Overture. Nabucco era toooda uma peça, e a abertura dessa peça, virou uma só música. Uma linda música.

Em Braistorming Overture, introduzo o conceito do termo Brainstorming. No bom português, Tempestade Cerebral, é uma técnica desenvolvida para explorar a potencialidade criativa de um indivíduo (ou de um grupo) com um objetivo pré-determinado.
Brainstorming nada mais é que uma discussão geralmente positiva onde você e seus companheiros de grupo "vomitam" idéias sobre um determinado assunto. Por mais insignificante que a idéia lhe pareça, ela deve ser considerada.

Eu, e meus eus, eventualmente temos tempestades cerebrais. É tudo dentro de mim. Existem os eus mais calmos, outros exaltados, que querem a qualquer custo ser ouvidos. No início de cada brainstorming eu penso que é tudo sobre diferentes idéias, mas quando eu consigo administrá-la, percebo que não. É tudo sobre uma coisa só. Mas haja concentração pra administrar!

Segundo a wikipedia******, há 3 principais partes no brainstorming:
Encontrar os fatos,
Gerar a idéia,
Encontrar a solução.

E é esse o problema de uma brainstorming solitária. Às vezes, a solução surge em minha mente antes mesmo dos fatos, idéias e até mesmo do problema. E pra uma solução surgem vários caminhos. Minha cabeça até dói. É muito pensamento pra uma só mente. Muita gente dentro de uma só pessoa. É quando o Tudo realmente vira uma coisa só.

Ontem eu tive uma brainstorming muito produtiva. Produziu um concerto, com addagio, allegro e Presto com fuoco, pra finalizar.
Overture era só pra explicar O que é Brainstorming e de onde veio.
Se tá no blog, era óbvio que veio de mim.


Abaixo, link para outras postagens que foram produtos de brainstormings e os agradecimentos.






Em Overture, agradecimento A MIM e ao silêncio que EU me proporcionei. ;)



16 de março de 2010

O pior da dor

Não é só a dor que dói. São meus motivos, seus motivos motivados por nada.
A avareza, mesquinharia com que a riqueza do que eu sentia foi tratada.
São os encontros perdidos, trocados por nada, por lama em vez de água.
Foi dar tudo e esperar nada, e em vez de nada receber o pior.
Ser a pária, ser escória. E ver o lixo ser valorizado, dito melhor.
Para eles, o ouro, a prata. Para mim o resto de que?
Nem um pouco de você.
Nem um sorriso sincero. Nem um olhar. O não querer ver, o não poder tocar.
E mesmo assim não esquecer, não querer partir, não querer deixar.
Com todo o nada, preferir voltar.
O que doeu na verdade foi sentir, me entregar
Uma vez, a primeira
E saber que não foi a última, que se ela quiser eu vou voltar. O pior da dor não foi perder.
O pior da dor foi amar.


16 de março de 2010

5 de março de 2010

Retrospectiva dos 19.




Eu fiz tudo quanto havia pra ser feito por qualquer garota de 19 anos. E mais.
Eu conquistei tudo o que havia pra ser conquistado por poucas garotas de 19 anos. E mais.
Eu provei do início ao fim da adolescência aso 19 anos.
Eu mantive tudo o que me foi caro aos 19 anos. E paguei caro pelo que me foi caro.
Não ganhei presentes que outras pessoas de 19 anos ganharam. Conquistei, mereci, suei por tudo aquilo que vem de mão beijada pra muitas. E peguei o que era meu. Aos 19 anos.
Eu fui uma mulher de 20, aos 19. Às vezes, uma criança de 25. Outras vezes, uma mulher de 10.
Eu li livros, ouvi músicas e assisti filmes próprios para pessoas de 19 anos. E 20, e mais.
Eu gravei os 19 no passado, durante o presente dos 19.
19 foi aprendizado. E mais. Foi experiência.
Eu quis viver. E quis morrer
E eu vivi; e morri. Aos 19.
Eu fui eu mesma não fui ninguém
Fiz dieta pra emagrecer e engordei. Fiz esforço pra engordar e emagreci.
Fiz esforço pra ganhar e perdi.
Aos 19 me afastei. Mas voltei.
E fui sem querer ir; fui sem querer ser.
Fiquei querendo partir, mas parti convicta. Aos 19.
Convicção? Sim, aos 19.
E conheci palavras (sim, conversei com elas). E elas me disseram muito sobre si, sobre mim e sobre os 19.
Eu fui comum e extraordinária aos 19.
Aprendi aos 19. Aprendi a aprender e a desaprender o que só prende.
Eu corri aos 19. Mas parei de correr.
E descobri que aos 19 não se pára. Que 19 é transição.
E transitei.
Não dos 18 pros 20. Transitei de uma dezena a outra. Dez anos em um. Aos 19.
Ao transitar, cheguei aos 20. Pronta pra eles.
Pronta pra vinte vezes dezenove.
Pra novas convicções, mais experiência, mais transição.
Porque vinte não é 19 mais um.
Vinte é vinte
Mais dezenove.